“JMJ: Uma obra de Deus na terra…”

 

“Fui para Jornada Mundial da Juventude com um propósito de fazer os jovens que estavam sob a responsabilidade dos coordenadores do grupo [Arcanjos], perceber que a igreja que eles servem é a verdade soberana que ainda permeia neste mundo de falsidade e hipocrisia, e principalmente, ter o seu encontro com Jesus Cristo…”

Relata Rafael Henrique Gonçalvez, que até 2013 estava como coordenador do grupo de jovens da comunidade matriz São Pedro e São Paulo, juntamente com sua esposa, Vanicléia, e seu amigo, Waldemar.

“A minha vida antes de ingressar neste encontro com o nosso Santo Papa, estava com toda certeza sendo abençoada por Deus, em todos os sentidos, havia conseguido uma promoção no emprego, descobri que seria pai. Sabia que tudo que estava acontecendo comigo era fruto de muita dedicação, oração e graça de Deus”.

http://www.saopedroesaopaulo.com.br/wp-content/uploads/images/artigosimg/2014/julho/JMJ1anoSPSP/Vani-foto.jpg

Um evento como a JMJ não é nada barato e uma viagem ao Rio muito menos, mas o também Ministro Extraordinário da Eucaristia lembra da ajuda que deu para poder facilitar a ida de muitos do grupo.

“Fizemos inúmeros esforços para conseguir baratear o valor da viagem para os jovens com menos condições financeiras, fizemos alguns eventos dentro da paróquia como o show com a Banda Arkanjos, vendemos pasteis nas comunidades, rifas, enfim, fizemos de tudo um pouco, sempre pensando em ajudar nossa juventude”.

Levar para o Rio mais de 40 peregrinos era de muita responsabilidade.
“No dia da ida para a JMJ, fui convidado a ir à casa da minha mãe, e lá recebi uma oração, pelo grupo da capelinha das minhas irmãs, aquilo foi muito importante para mim, porque estava angustiado, sentindo uma pressão enorme pelo fato da responsabilidade de levar um ônibus cheios de jovens para um lugar que eu não sabia nem por onde começava, fora que a minha mulher estava grávida, (eu, por muitas vezes pensei seriamente eu deixa-la em casa), no final da oração elas cantaram o cântico de São Francisco de Assis, naquele instante eu senti uma paz interior e uma certeza que tudo daria certo”.

E pela força da oração a sua alma se acalmava durante a viagem, mas só chegando nas ruas da cidade maravilhosa e vendo a multidão de jovens é que ele sentiria um conforto e uma tranquilidade, vinda dos céus!

“Era incrível como poderíamos apesar dos inúmeros contratempos, sacrifícios, ver que as pessoas que estavam participando da JMJ eram revestidas de uma graça, um semblante que iluminava a todos que tinham contato com eles, nós com certeza fomos guiados pelo Espírito Santo de Deus, e protegido de quaisquer males pela intercessão de nossa mãe Maria. E assim o peso e angústia que permeavam meu coração foram dissipadas pela força do Espírito Santo”.

Rafa também testemunha a grande noite da Vigília e “o momento inacreditável” que foi “ver toda aquela gente em silêncio adorando a Cristo, é algo que nunca mais na vida iremos presenciar”. Mas uma parte que ele lembra quase ninguém viu, num foi televisionado, num virou notícia, mas virou uma graça de testemunho de fé na sua caminhada.

“As partes que mais ficaram guardadas no meu coração foram quando os nossos jovens doaram as refeições para os moradores de rua, eu nunca havia presenciado algo desta magnitude, não era o simples fato de doar alguma coisa que nos restava, e sim, doar tudo aquilo que tínhamos para dar naquele momento, naquele instante eu tive a certeza que todos os três anos que ficamos a frente do grupo de jovens, valeu a pena, porque fez eu acreditar que existem jovens que queiram amar a Deus sob todas as coisas”.

http://www.saopedroesaopaulo.com.br/wp-content/uploads/images/artigosimg/2014/julho/JMJ1anoSPSP/Rafa.jpg

Após sua conversão, ainda antes da Jornada, ele já via a Igreja como verdadeira e viva em seus ensinamentos e doutrinas. “Após a jornada, eu não mudei meus pensamentos em relação a nada da igreja, essa viagem serviu para fortalecer os alicerces da minha fé, e perceber que nossa Igreja é para todos”. E em gratidão reconhece: “A JMJ serviu para todos os dias sempre agradecer a Deus por tudo”. Hoje por questões profissionais ele está afastado do serviço pastoral, mas continua firme e forte em sua fé, e ajuda à Igreja naquilo que pode.

Ele encerra seus testemunho reconhecendo os frutos da Jornada não só na sua vida.
“Com certeza, o mundo encontrou na humildade do Papa Francisco o amor da Igreja Católica a todos os povos. Muitos se converteram ao catolicismo devido à quebra de paradigmas impostas na sociedade atual, e a simplicidade, caridade, humildade do nosso santo Papa, fez com que muitas ovelhas retornassem ao bom pastor”.

 

Fotos: Disponibilizada pela fonte

Por Rômullo Dawid - Pascom Pedro e Paulo